211. O Sexto Dia

sábado, 17 de outubro de 2009
Postado por Selton Dutra Zen

Posso classificar a carreira de Arnold Schwarzenegger, um fracasso. Claro que não um fracasso completo, mas um fracasso parcial. Mais ou Menos 70% de todos os filme que ele atuou são uma porcaria. Parece que Arnold atrai filmes ruins. E "O Sexto Dia" é um outro exemplo negativo de sua parcialmente ruim, carreira. Mas, com um detalhe. Este filme consegue ser um dos piores que ele já atuou, desde sua iniciação como ator, em 1970! O filme é tão ruim, mas tão ruim, que chega a ser lastimável! Não há nada de bom neste filme, NADA! Vamos começar pela atuação de Arnold Schwarzenegger. Horrenda! Ele tenta, fracassadamente, nos emocionar, ou nos deixar apreensivos, mas, óbvio, não consegue. Partindo para a direção, que faz jus a todo o resto do filme, é uma droga, ao mesmo nível dos outros elementos deste longa. Não conheço o diretor deste filme, e nem pretendo conhecer! Saindo da parte de direção, entramos na parte do roteiro, que tenta, desesperadamente prender nossa atenção, fazendo reviravoltas ridículas, para tentar melhorar um pouco o nível, mas claro não consegue. E se os próprios roteiristas se obrigam a inventar argumentos para manter nossa atenção, imagine, o nível do filme. "O Sexto Dia" é filme tão ruim, que mal conseguimos prestar atenção nele! Ok, saindo da parte teórica e prática, vou falar um pouco da parte técnica. Efeitos visuais muito abaixo da média para a época (2000). Música... prefiro nem comentar, e esquecer o mais rápido possível. Agora, nenhum destes tópicos que citei chegam perto (inferiormente), destes outros dois que citarei: Edição e direção de arte. Começando pela edição. Temos a impressão de estar em um slide show, ou em um vídeo game, mas menos num filme. O filme usa muitos efeitos de transição, e ainda, para piorar, efeitos de transição ridículos. Direção de arte. Tenta criar um ambiente futurista, mas num futuro próximo. Pois bem, somos deparados a tecnologias que somente seriam capazes de existir em um futuro muito, muito distante, e ainda, estas tecnologias dividem espaço, com um Cadillac! Sim, um Cadillac! Ridículo. A história: Num futuro próximo, animais de estimação são clonados, mas seres humanos não, pois é ilegal, devido a lei do sexto dia. Mas, esta lei foi quebrada, e um homem de família é substituído por um clone. A partir daí, ele passa a ser perseguido... aquela velha história de filmes de ação. Não aconselho assistirem. Aliás, aconselho a exibição deste filme, somente como método de tortura! Não vale a pena!



Gênero: Ação/Ficção Científica
Duração: 123 min.
Ano: 2000

2 comentários:

Paulo Filho disse...

Assisti o filme e gostei muito, acho que você é o tipo de pessoa que gosta de comédia romântica, filmes "água com açúcar"... kkkk

Charles Oliveira disse...

O filme é massa! É interessante por levantar questões sobre ètica, estética e juridica. Além de prever uma sociedade saturada nas contradições no desenvolvimento de novas tecnologias para fins diversos ao modelo neoliberal do capital.